Nas próximas vezes que você sentir vontade de recorrer ao seu vício, seja fumar, beber, comer, jogar, comprar, depender de pessoas… experimente fechar os olhos, literalmente abrace você mesmo e diga: “Eu me amo, eu gosto de mim, eu me aceito do jeito que eu sou, eu me amo!” fale com vontade, verdade e profundidade. Sinta-se enviando todo o seu amor para você mesmo. Depois perceba que o seu desejo cessou totalmente ou diminuiu um pouco. É preciso fazer várias vezes para mudar o seu padrão mental, porque logo logo a sua mente irá voltar ansiando por isso novamente. Essa técnica só irá funcionar se você realmente estiver disposto a acabar com esse vício. Caso contrário, você estará se enganando e rapidamente voltará a se preencher da sua fonte externa de prazer. Na maioria dos casos, a causa desse vício é falta de amor próprio. Como você não aprendeu a se amar porque não gosta de você mesmo, não consegue enxergar seus pontos positivos, talentos e habilidades natas, você não se cuida e passa a eleger alguém para cuidar, na tentativa de que essa pessoa lhe retribua amor, afeto, carinho, atenção, cuidados. Páre de buscar o amor fora de ti e busque no seu interior. Há uma produção infinita de amor no seu interior. Cuide mais de si e menos do outro. Faça mais para si e menos para o outro. Preencha o seu buraco existencial de dentro para fora, e não de fora para dentro. O foco é entender e curar suas emoções negativas, e não ficar se controlando, se punindo ou morrendo de vontade de se satisfazer com o seu vício.

Paula Teshima