Se você é um estudante da área de espiritualidade e desenvolvimento pessoal, deve ter percebido que seus problemas se intensificaram logo após ter começado esse estudo. Antes, era tudo mais calmo, tranquilo, claro que você tinha vários problemas, mas você ia levando de boa, sendo ajudado por alguém ou deixando esquecido debaixo do tapete. Isso acontecia e ficava “tudo bem”, porque você não tinha condições ou conhecimentos para dar um jeito nesses problemas. Você só resolvia e melhorava o que conseguia.

No entanto, quando você se abriu para o autoconhecimento, em querer entender a vida, o seu propósito de vida e buscar o que te faz feliz, certamente um monte de informações chegaram a ti trazendo luz para a sua consciência. Só que essa luz, literalmente, ilumina todo o seu ser – seus pontos fortes e seus pontos fracos! Então, emoções, traumas, medos, raivas, culpas… que estavam guardadas lá no fundo do seu ser, coisas ruins que você não queria mais lembrar que aconteceram nesta vida ou em vidas passadas, vêm tudo à tona, fica exposto e escancarado na sua frente, voltando a te incomodar, te perturbar, te irritar.

Sabe por que isso acontece?

Porque agora você está aberto, disposto e apto a encará-los e superá-los através dos conhecimentos e das ferramentas que vem adquirindo nos seus estudos. Portanto, não piorou a sua vida, apenas está sendo revelado coisas que você já tinha em si e que estavam adormecidos, pendentes de serem tratados.

Fazendo uma analogia, é como, por exemplo, um autodidada estudando em casa sozinho. Ele tem algumas questões de matemática que não consegue resolver, mas não tem ninguém para lhe ajudar. Um dia, contrata um professor particular e agora sim, esclarece suas dúvidas, pergunta coisas que nem havia pensado em perguntar pelo fato de agora ter essa oportunidade, o professor também o corrige e alerta aonde está errando, além de ensinar coisas novas.

Jamais desista e desanime da sua busca interior. Todo começo é difícil, mas depois que você se sintonizar nessa frequência de luz, se apaixonará e, automaticamente, não irá querer se conectar com qualquer outra energia de baixa vibração. Abandonará filmes violentos, comidas pesadas, conversas fúteis, fofocas, intrigas, televisão, bares, etc., sem sofrimento, sem obrigação, simplesmente porque isso não lhe atrai mais, não lhe agrada mais. Quando você eleva sua vibração, coisas e pessoas de baixa vibração não ressoam mais, não se conectam mais, não fazem mais parte da sua vida. Da mesma forma, quem está em baixa frequência, não se interessa em fazer meditações, respirar conscientemente, praticar gratidão, ouvir músicas suaves, buscar por conhecimentos ou ajudas para curar as emoções densas que guarda no seu interior.

Paula Teshima